Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

"A Alma Trocada" - O último livro de Rosa de Lobato Faria

 

 

 

Título:  "A Alma Trocada" 

Autor: Rosa de Lobato Faria 

Editora: Edições ASA

1ª Edição Setembro de 2007

 

É um lugar comum dizer-se que determinada orientação sexual não é uma escolha, porque, se fosse, ninguém escolheria o caminho mais difícil. Foi esse caminho mais difícil que Teófilo teve de percorrer, desde a incompatibilidade com os pais, aos desencontros dentro de si próprio, chegando mesmo a acreditar que alguém lhe tinha trocado a alma...

 

Rosa Lobato de Faria aborda, desta vez, um tema diferente – o tema da homossexualidade masculina –, num romance que, mantendo embora o tom poético que sempre tem caracterizado as criações da autora, se arrisca por caminhos até aqui pouco explorados na ficção portuguesa.

 

Ouvida por Isabel Coutinho para o dossiê sobre ficção gay portuguesa que o Ípsilon publicou a 24 de Agosto, Rosa Lobato de Faria afirmou que "Nunca me passaria pela cabeça escrever um livro para o inserir num género (...) Não há diferença entre este e os outros romances. Gostei daquele homem cheio de fragilidades porque não o deixaram crescer como ele devia ter crescido. É um homem que me é simpático".

 

Breve resumo:

Aos 26 anos decide sair do armário, perante a aparente indiferença da “noiva”, a cumplicidade da avó Jacinta (uma matriarca alentejana), o desespero da mãe e o ódio do pai.

Anos a fio a suportar o peso das normas, a pressão social, os equívocos da “normalidade”, em terreno sempre escorregadio, desde o dia longínquo em que descobriu o «rasgão no peito». Descoberta abrupta, à beira dos 13 anos, quando surpreende o Tinito, cinco anos mais velho, a masturbar-se: «foi quando vi o Tinito, todo nu, entretido com o seu próprio membro [...] a deliciar-se com o seu rapidíssimo jogo de mão.» Segue-se a iniciação às mãos do referido Tinito, cigano bem-parecido criado em casa da avó Jacinta. Nesse dia percebeu.

Mas quem o faz enfrentar a família e a sociedade é outro homem, Hugo, um advogado jovem sem problemas identitários. A acção do romance divide-se entre Lisboa, o Estoril (onde Teófilo e Hugo arranjam casa) e o monte alentejano da avó Jacinta, com rápida digressão parisiense, em ambiente burguês, com apontamentos certeiros sobre tiques, hábitos e costumes das classes médias urbanas. A fluência narrativa não tropeça no sexo: «Cala-te, patrão. Não digas nada se não queres ser violado à bruta. [...] Só sei que lhe gritei uma vez e outra e outra vez, amo-te estúpido, amo-te animal, amo-te cabrão, filho da puta, cigano de merda, meu amor.» Passa-se isto quando, já casado e pai de filhos, Tinito leva Teófilo a trair Hugo, seu companheiro.

 Raquel, a “noiva” rejeitada, está na origem de uma sucessão de crimes: rouba os manuscritos de Teófilo, fazendo-os publicar com outro nome; encomenda o seu atropelamento; e depois o sequestro de uma criança. Acaba presa. Estas e outras peripécias dão colorido à acção.

 

Para mim, Rosa Lobato de Faria continua, e bem, com a sua escrita de “sentidos”, sendo o leitor permanentemente tentado e invadido pelos aromas, sons… «A casa cheirava a carqueja a arder na lareira e o frio seco, cá fora, pedia luvas e carapuços. Os cães vieram saudar-nos…». E fazendo-nos viajar no tempo e espaço até à nossa infância com a descrição do Natal, do arroz doce quente e do leite-creme queimadinho, tão característicos das Avós, entre palavras, lugares, fazeres e dizeres tão portugueses. «Lá dentro havia um conforto especial, um toque de ancestralidade rústica, um calor abençoado, um cheiro a canela.», «E a Maria a pôr a mesa da copa com as torradas de pão de centeio, o café com leite, a compota de abóbora, os biscoitinhos de erva-doce, para a minha fome de lobo, para a minha alegria de homem saciado e a saciar…».

Uma escrita que se lê de um só fôlego.

 

 

sinto-me: Carpe Diem
música: "Sete Mares" - Sétima Legião
publicado por mileumpecados às 13:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

FREEDOM WRITERS

       

 

                                                  "FREEDOM WRITERS" (2007)

 

                                       Género: Drama

                                       Director: Richard Lagravenese

 

Protagonistas:

Hilary Swank=Erin Gruwell

Patrick Dempsey=Scott Casey

Scott Glenn=Steve Gruwell

Imelda Syauton=Margaret Campbell

 

2 Prémios: “Truly moving sound award” – Filme Festival Heartland

                   “Humanitas Prize” – Prémio Humanitas

Nas salas de cinema Portuguesas no inicio de 2007. Procurar no seu clube de vídeo.

 

                                       Baseado na história verídica de uma jovem professora Americana, Erin Gruwell (Swank) e alunos da sala de aula 203.

                                       Ao ir leccionar uma turma do ensino secundário, dita de alto risco, com alunos problemáticos, Erin Gruwell vê-se “a braços” com uma quantidade de problemas, obstáculos que muitos de nós têm de lidar no seu dia-a-dia como o preconceito de cor de pele, de credo, de estatuto social, de hierarquia profissional, verdadeiras bombas prontas a explodir, tais como a intolerância, a segregação social, o racismo, a dura realidade dos gangues juvenis com toda a sua violência, as famílias disfuncionais, a pobreza, o crime, etc.

 

                                       Determinada a não abandonar os seus alunos e lutar por uma segunda oportunidade para os mesmos, Erin Gruwell arranja mais dois empregos, em detrimento do seu casamento, da relação com os outros docentes da escola, de toda a burocracia, para levar o seu projecto avante, ou seja, o de inspirar os seus alunos a tolerarem as diferenças dos outros bem como as suas próprias diferenças, e seguirem em frente com os seus estudos, acabarem o ensino secundário e se assim o entenderem, seguirem o ensino superior.

 

                                       De uma forma corajosa, com empenho, esforço e solicitude ganha o respeito dos seus alunos.

                                       Mostra-lhes o que foi o Holocausto, com testemunhos reais do que aconteceu na época, leva-os a ler, a escrever sobre as suas vivências numa espécie de diário, e a perseguir os seus sonhos.

                         

                                       “The Freedom Writers Diary” ou “O Diário dos Escritores da Liberdade” foi publicado em 1999 e tem como base os escritos dos diários dos alunos da sala de aula 203.

                                       Muitos dos escritores da liberdade foram os primeiros nas suas famílias a concluírem o Ensino Secundário e a ir para a Universidade.

Seguindo alguns dos seus alunos, a Sra. G. deixou a Wilson School para ensinar na Universidade da Califórnia, em Long Beach.

Erin Gruwell e os seus alunos, os escritores da liberdade fundaram a Fundação Escritores da Liberdade dedicada a recriar o sucesso da sala de aula 203 nas salas de todo o País.

 

Uma lição de vida!

 

Um filme repleto de verdadeiros exemplos de DETERMINAÇÃO, ESFORÇO, DEDICAÇÃO, RESPEITO, VONTADE, VALORES A SEGUIR e GENUÍNOS HERÓIS!

 

sinto-me: Carpe Diem
publicado por mileumpecados às 13:49
link do post | comentar | ver comentários (29) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. "A Alma Trocada" - O últi...

. FREEDOM WRITERS

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds